Assinatura RSS

Arquivo do mês: junho 2011

Branco

Publicado em

E bem no meio do começo as coisas eram brancas. Não como a luz que enche os olhos pela manhã, nem como nuvens num céu de maio, é branco como leite sendo derramado. Branco vivo que parece olhar e afirmar que ele vai pra onde quer, pois se move livremente. E só agora, vendo essa cor descendo no meio do meio do começo é que se pode indagar que cor era antes? Alguém viu algo antes? Meus olhos acabam crendo que estavam calados para não ver nada, pois se viram não recordam. Esquecer é cruel demais. Eu não vi. Não vi cor nem coisa alguma.

Desperta agora alguém no canto e me chama por um nome que não é o meu, mas olha nos meus olhos e eu atendo então. E não diz mais palavra alguma, só me olha, com o rosto sério e ainda assim vai me dizendo alguma coisa qualquer que rasteja no salão vazio até chegar em mim. E me atinge, me grita e me acolhe depois. Me acolhe como entre braços esguios e sórbios, mas ainda o vejo longe, seus braços mantidos perto de si.

E eu estou tentando, com o branco, o vazio e o silêncio ondulatório. Estou tentando? Mas tentando o que? Não faço nada além de absorver e não sei se dou conta. Já faz muito tempo que o tempo me dá respostas para perguntas que não quero mais saber. E estou vendo as respostas pousando pelas paredes distantes. Distantes.

Essa cor me cansa. Com qual tinta eu posso pintar o vácuo?

Anúncios

Persianas

Publicado em

Persianas em dia de sol.

Um convite a puxar suas cordas e deixar o dia entrar pela janela.

Pois às vesperas do inverno – que vem pra justificar a profusão de casacos – só o que se quer é um pouco de calor.